Lugares que são patrimônios mundiais da Unesco no Irã!

Eu não sei vocês, mas eu amo visitar lugares que são patrimônios mundiais da Unesco! E o Irã tá cheio deles! O Irã é um dos países do Oriente Médio com maior número de locais classificados como Patrimônio Mundial pela UNESCO!

Vamos começar nossa série sobre como foi nossa viagem para o Irã e nada mais justo do que começar com esses lugares, afinal quando começamos a fazer nossa pesquisa para os lugares que gostaríamos de conhecer, isso foi sem sombra de dúvidas um fator decisivo na hora de escolher as cidades no pouquíssimo tempo que tivemos no país! Vamos começar?

Palácio de Golestão

Palácio do Golestão ou também Palácio das Rosas como é conhecido é um antigo palácio real iraniano do antigo Império Cajar, situado em Tehran. Sendo o mais antigo dos monumentos históricos na cidade, quando Maomé Cã Cajar (r. 1742–1797) escolheu Teerão para sua capital.

A cidade tornou-se a sede da corte do Império Cajar (1794–1925) e o Palácio do Golestão foi residência oficial da família real.

Persépolis

Persépolis foi uma das cidades mais importantes do Império Aquemênida. Era muito visitada, principalmente na primavera. Sua construção, foi iniciada por Dario I, continuou ao longo de dois séculos com seus filhos e descendentes. Até que em  330 a.C., Alexandre Magno, ocupou e saqueou Persépolis, incendiando o palácio de Xerxes, para simbolizar o fim da guerra vingativa pan-helênica contra os persas.

A cidade é um dos locais mais importantes para a história não só da Persa,como do mundo! Um lugar incrível que independente dos seus dias no Irã, é imprescindível estar em seu roteiro.

Pasárgada

Pasárgadas era uma cidade da antiga Pérsia, hoje é um sítio arqueológico na província de Fars. Foi a primeira capital da Pérsia, durante o imprério Aqueménida. No tempo de Ciro, o grande existiu e coexistiu com as demais capitais do império, visto que era costume persa manter várias capitais, em função da vastidão de seu império.

A construção de Pasárgada foi iniciada por Ciro II, e foi mantida inacabada devido à morte de Ciro em batalha.

Veja também: Como é voar na classe executiva da Lufthansa no B747-400 – Rio de Janeiro para Frankfurt

O monumento mais importante de Pasárgada é a tumba de Ciro, o Grande. Possui seis largos degraus que conduzem ao sepulcro, cuja câmara mede 3,17 m de comprimento, 2,11 m de largura, e 2,11 m de altura, e possui uma entrada estreita e baixa. Apesar de não haver evidências fortes identificando a tumba como a de Ciro, os historiadores gregos dizem que Alexandre, o Grande acreditava que era. A história afirma que Alexandre ordenou que um de seus guerreiros, entrasse na tumba. Ao entrar, ele encontrou uma cama dourada, uma mesa arrumada com copos, um caixão dourado e alguns ornamentos enfeitados com pedras preciosas.

Veja também: Passo a Passo: Como montar um roteiro de viagem?

Durante a conquista islâmica do Irã, as forças árabes foram até a tumba planejando destruí-la, considerando-a estar em violação direta aos princípios do Islão. Os guardas da tumba convenceram o comando árabe que a tumba não fora construída para honrar Ciro, mas que abrigava a mãe do rei Salomão, o que acabou evitando sua destruição. Como resultado, a tumba ficou conhecida como “Qabr-e Madar-e Sulaiman”, ou a tumba da mãe de Salomão.

Cidade antiga de Yazd

Em Yazd, as construções feitas de terra e lama resistem a séculos dos ataques de humanos e da natureza. A antiga cidade de Yazd é um labirinto de ruelas e casas de barro, adaptado ao deserto do Irã. Uma mesquita, considerada a primeira do país, tem aproximadamente 1300 anos.

A cidade antiga de Yazd é um retorno ao passado. O tempo parece ter parado entre a floresta de cúpulas, minaretes e “badgir” (torres de ventilação).

Segundo destacou a Unesco, Yazd “é um testemunho vivo do uso de recursos limitados para garantir a vida no deserto “e, além disso, “escapou das tendências da modernização que destruíram várias cidades tradicionais do mundo”.

Mesquita Jāmeh de Isfahān

A mesquita Jāmeh de Isfahan é o resultado da construção e reconstrução de 771 até o fim do século XX. A mesquita é patrimônio mundial da Unesco desde 2012. Foi construída durante a dinastia dos Omíadas, é uma das mesquitas mais antigas do país, construída no estilo arquitetônico de quatro iwan. Um iwan é uma sala aberta abobadada. No entanto antes de se tornar uma mesquita, há rumores de que foi uma casa de adoração para os zoroastristas.

 

Apesar de sua construção iniciar-se no século VIII, a mesquita Jāmeh foi incendiada e reconstruída no século XI. Como resultado, após o incêndio suas salas forem reconstruídas em diferentes estilos arquitetônicos, fazendo da Mesquta Jāmeh uma história condensada da arquitetura iraniana.

Naqsh-e Jahan Square

Naqsh-e Jahan Square é uma praça lindíssima, considerada a terceira praça mais linda do mundo! Situada em Isfahan, foi construída entre 1598 e 1629. Inicialmente era o local onde o rei e seus convidados jogavam polo. O que antes eram os camarotes ao redor da praça, hoje se tornou inúmeras lojas.

A praça tem uma área total de 89.600 metros quadrados, sendo 160 metros de largura por 560 metros de comprimento.

Fin Garden

Fin Garden é um jardim histórico persa. As origens do jardim podem ser anteriores ao período safávida. Ele contém o banho de Fin de Kashan onde Amir Kabir, o primeiro ministro do país, foi assassinado em 1852 a mando do rei Nasereddin Shah.

A história nos conta que o primeiro ministro Amir Kabir foi enviado ao jardim como forma de exílio. Amir Kabir era um homem muito respeitado e admirado pelo povo, no entanto isso fez com que desperta-se o ódio de sua sogra que estava tendo uma relação amorosa com um corrupto oponente a tudo que Amir Kabir planejava para o povo.

Veja também: Como acumular milhas aéreas e viajar cada vez mais?

Em uma noite, o rei Nasereddin Shah acabou bebendo um pouco demais e sua mãe fez com que ele assina-se um mandato de ordem para matar Amir Kabir. Com a assinatura do rei em mãos, soldados foram até Fin Garden para se fazer cumprir o desenho de Shah. Ao tomar conhecimento do que ocorrera, o rei ordenou que um mensageiro de sua confiança fosse o mais rápido possível para cancelar a ordem. No entanto, o mensageiro foi pego e morto antes de ter a chance de cancelar a ordem de assassinato. Quando chegaram ao Jardim de Fin, perguntaram ao primeiro ministro como ele gostaria de morrer. Amir Kabir pediu para morrer durante o hamman, e assim foi assassinado.

Outros lugares declarados patrimônios mundiais da Unesco no Irã

Essa pequena lista acima foi dos lugares que tivemos o privilégio de conhecer na nossa curta temporada no Irã. No entanto, temos ainda mais alguns lugares que estão na lista de patrimônios mundiais da Unesco que infelizmente pelo tempo, não conseguimos conhecer ainda.

São eles: Tchogha Zanbil, Meidan Emam, Takht-e Sulaiman, Bam e sua Paisagem Cultural, Soltaniyeh, Bisotun, Conjuntos Monásticos Arménios no Irã, Sistema Hidráulico Histórico de Shushtar, Conjunto do Bazar Histórico de Tabriz, Conjunto do Khānegāh e do Santuário do Xeque Safi al-Din em Ardabil, Jardins Persas, Gonbad-e Qābus, Aldeia de Meymand, Ruínas de Susa, O qanat persa, Deserto de Lut ePaisagem arqueológica do Império Sassânida, em Fars.

E você? Já conhece alguns desses patromônios mundiais da Unesco que se localizam no Irã ou sonha em conhecer? Conta aqui pra gente qual é (ou qual você acha que seria) o seu preferido!

Amanda Saueia

Brasileira. Geminiana. Contadora. Apaixonada pelo novo, livros, fotografia, música e arte. LOUCA por viagens!

Comente pelo Facebook

Comentários:

Autor: Amanda Saueia

Brasileira. Geminiana. Contadora. Apaixonada pelo novo, livros, fotografia, música e arte. LOUCA por viagens!

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.