Chefchaouen: Descubra a cidade azul!

Chefchaouen

Chefchaouen vem do berbere e significa “Olhe os Chifres”. Tem esse nome porque está localizada na região das montanhas Rif. Ao norte do país, entre os picos Tisouka e Megou que se erguem sobre a cidade com o formato de dois chifres. A cidade azul é também chamada de Xexuão, Barraxe e Barraxá. Com clima tranquilo e construções simples, se destaca por seus contrastes de cores azuis.

Como chegar?

Chegar à cidade não é difícil: o local fica a  350 km de Casablanca  e a 110 km de Tânger, porta de entrada para quem vem da Espanha. Você pode ir de carro, ônibus ou taxi. Eu te aconselho a escolher uma boa agência pois o Marrocos é um país repleto de histórias que só um verdadeiro nativo pode te proporcionar. Nós fomos com a Siroco Tours e foi só alegria! E para quem não fala muito bem inglês, não se preocupe! Alexandra e Pedro são portugueses (VIVA!), além de serem super simpáticos e atenciosos eles ainda fazem tours personalizados, e ah os guias da Siroco também falam português. Só mesmo aproveitar!

Chegando na cidade Azul.

Chefchaouen: Curiosidades da cidade azul

A cidade azul situada entre duas montanhas, foi fundada em 1471 por descendentes do profeta Maomé. É considerada uma cidade sagrada e conta com oito mesquitas.

As casas se espalham entre vielas que parecem formar um labirinto infinito e da mesma cor do céu. A cidade azul, ganhou este tom através das mãos da comunidade judaica. O motivo da pintura é incerto, mas há duas teorias: Reproduzir a visão do paraíso ou a cor que tingia os objetos sagrados do velho testamento para servir de lembrança constante do poder de Deus sob aquele grupo de refugiados.

Vista da Cidade Azul, antes de entrar na medina.

Dominada atualmente pela cultura muçulmana- berbere, a cidade azul mantém sua paisagem tradicional desde o começo do século XXI. A paisagem azul se concentra principalmente dentro da medina, e a maior graça da cidade está em se perder pelas ruelas azuis da medina de Chaouen, como é chamada pelos locais. Mas Durante séculos, Chefchaouen se fechou completamente para estrangeiros, acolhendo apenas peregrinos. Hoje, toda a região do Rif é considerada sagrada e é um famoso local de peregrinação onde estão enterrados alguns dos antigos profetas locais.

Como já aprendemos anteriormente, toda ruela principal da medina, vai dar de encontro a uma praça. Aliás você já sabe né? Se acabar se perdendo na medina, o que digo de passagem não é tão difícil assim, rs, procure pela praça.

Praça Uta al-Hamman

A praça principal da cidade azul é a Uta al-Hamman. Por lá, encontramos diversas lojinhas de souvenirs, tecidos, luminárias, e restaurantes. Não deixe de provar o delicioso chá de menta marroquino, uma delícia!

Vista do por-do-sol no terraço do restaurante Alladdin.

Além de toda a beleza da cor, Chefchaouen ainda é rica em tapeçaria, pois mistura a cultura berbere, judaica e de muçulmanos de outras partes do mundo, e até mesmo dos mouros exilados que permaneceram por lá.

Chefchaouen também é muito famosa pelas djellabas, que é uma espécie de roupa de lã com capuz que cobre o corpo inteiro dos nativos. Num primeiro momento parecia que eu estava literalmente em algum cenário de filme, tamanha beleza do local se contrapondo com as djellabas dos nativos.

Onde comer?

Como já dito, na praça há uma enorme variedade de restaurantes. Quando estávamos em Chefchaouen nos foi recomendado pelo nosso guia os restaurantes  aladdin e também o restaurante sofia.

Tajine em Chefchaouen.

Para quem gosta de comer, o tagine, prato típico do Marrocos geralmente feito com vegetais, carnes e especiarias tem um sabor especial na cidade azul. Os preços variam conforme os restaurantes, mas a média local é de 80,00 dirhans o menu completo.

Chá de menta marroquino.

Nós comemos no aladdin, pois só tivemos uma noite na cidade azul já que no outro dia partiríamos para Meknès. Adoramos a comida e a vista do terraço. A comida marroquina além de ser uma delícia é muito bem servida.

Compras pra que te quero

Aproveita que já estará na praça e tente não resistir a umas comprinhas, rs. Apesar dos preços não serem tão bons como em Fès e  Essaouira não se esqueça de barganhar sempre! Eu acabei comprando um Kaftan, azul (claro) maravilhoso e todo bordado a mão por 130,00 dirhans marroquinos. O preço inicial do comerciante era de 350 dirhans.

Apesar da cor azul ser considerada uma cor fria, a cidade azul é uma das mais acolhedoras em que eu já estive.

Pelos arredores da cidade, é possível fazer trilhas que nos levam a mirantes e admirar a paisagem da cidade entre as montanhas Rif. Item obrigatório para quem for a Chefchaouen é uma câmera fotográfica! A cidade azul é uma das mais peculiares do mundo, e provavelmente o lugar mais azul em que você vai pisar nesse mundão!

Falando em fotografia

A cidade é um prato cheio para os amantes dessa arte, e ouso dizer até para os não tão apaixonados assim. Mas vou te ajudar dando pontos específicos caso seu tempo não seja tão grande por lá.

MESQUITA JEMME BOUZAFAR: Também conhecida como Mesquita Espanhola, é a melhor vista da cidade. A subida é longa, mas super tranquila de fazer.

KASBAH: É o castelo da cidade e tem a praça Uta al-Hamman na frente. Ali estão a maioria dos restaurantes e muitas lojinhas.

RUA HASSAN 1: É a rua principal da medina, que corta a medina. Nela existem várias lojinhas e as ruas que cortam ela são as mais bonitas e mais fotografadas também. Todas as ruas são lindas em Chefchaouen. Mas com tantas ruelas e escadas a medina é um verdadeiro labirinto. Não tenha medo de se perder, provavelmente acontecerá, rs. Mas não se desespere! Procure e pergunte sempre pela praça. A partir dela você vai conseguir se localizar. A cidade não é tão grande assim. Aliás é  uma cidade pitoresca, bem interiorana, daquelas que a gente deseja passar dias.

Vista da Cidade Azul.

E aí, alguém já foi ou deseja conhecer a pérola azul do Marrocos?

Amanda Saueia

Brasileira. Geminiana. Contadora. Apaixonada pelo novo, livros, fotografia, música e arte. LOUCA por viagens!

Comente pelo Facebook

Comentários:

Autor: Amanda Saueia

Brasileira. Geminiana. Contadora. Apaixonada pelo novo, livros, fotografia, música e arte. LOUCA por viagens!

Deixe um comentário