O que é, e como funciona um Ashram na Índia?

Os ashrams alcançaram as cabeças ocidentais em 1968, quando os Beatles chegaram a Rishikesh, cidadezinha indiana aos pés do Himalaia. Tão logo os Beatles deixaram a Índia, Steve Jobs e a escritora Liz Gilbert também foram atrás da experiência transformadora de passar um tempo em um Ashram. E a fama dos Ashrams só fez aumentar quando o best seller “Comer rezar amar” da escritora motivou muitas pessoas mais a ir atrás dessa experiência renovadora.

E então Rishikesh ganhou dezenas de Ashrams, assim como Pushkar, Nova Delhi, Agra e tantas outras cidades indianas.

O que é um Ashram?

Ashram, na antiga Índia, era um eremitério hindu onde os sábios viviam em paz e tranquilidade no meio da Natureza. Hoje, o termo ashram é, normalmente, usado para designar uma comunidade formada intencionalmente com o intuito de promover a evolução espiritual dos seus membros, frequentemente orientado por um místico ou líder religioso. A palavra ashram deriva do termo sânscrito aashraya, que significa “proteção”.

Leia também: Viajando sozinha pela Índia – Guia indispensável para mulheres viajantes

Mas como funcionam um Ashram?

Cada Ashram funciona de um modo diferente, pois cada um deles é regido por um guru espiritual. Muitos levam uma vida simples, outros no entanto defendem que não há necessidade da renúncia material. Por isso fica um tanto quanto difícil explicar de modo genérico como funciona um Ashram. De um modo geral, a maioria fala sobre o hinduísmo, no entanto não se segue uma religião específica.

Há momentos para a pratica de yoga, meditação, palestras, mantras, prática do silêncio e trabalho comunitário.

Leia também: 10 motivos para você conhecer a Índia

A rotina de um Ashram

O dia a dia em um Ashram começa muito cedo, na maioria das vezes antes do sol nascer. O dia é geralmente muito intenso com aulas de yoga, meditação, trabalho comunitário, palestras, técnicas de respiração, e mantras… embora boa parte do dia é passado em silêncio.

E quanto custa se hospedar em um Ashram?

Assim como o estilo de cada Ashram depende do seu guru, o mesmo vale para o valor. Há Ashram que começam em torno de 600 rúpias a diária (algo em torno de R$25,00) e outros que ultrapassam o valor de 250 doláres.

Sugiro que além de pesquisar sobre os preços na escolha do seu Ashram, procure também sobre o guru espiritual responsável.

E em relação a alimentação, a média é de três refeições diárias. Não se esqueça que a Índia sendo um país vegetariano, as refeições no Ashram também o são, e claro tudo regado a muito tempero e pimenta!

Leia também: Pushkar: Conhecendo a cidade sagrada da Índia

Como devo me vestir?

É muito importante respeitar a cultura local, afinal você é o convidado não é mesmo? Isso vale para qualquer país, e como estamos falando da Índia, mais precisamente de ashrams é de bom tom que não se use shorts, saias curtas, roupas justas, blusas de alcinhas.. até porque devemos nos lembrar das práticas.

Use e abuse das calças estilo “aladdin”, junto com camisetas de algodão. Além de mais confortáveis, são também mais frescas.

Em qual Ashram me hospedar?

Mais uma vez reforço que é importante a escolha primeiramente do Guru religioso. Pesquise sobre ele, seus ensinamentos, seu modo de vida e como funciona a prática  que no Ashram. E, claro o preço que você quer e pode pagar.

Vou deixar aqui uma lista pessoal dos que eu me identifiquei, e dos que eu escolheria caso estivesse com passagem marcada para amanhã, rs.

– Phool Chatti: Meu queridinho para quando chegar a hora de fazer meu Ashram. Ele fica próximo das montanhas, mais afastado da cidade. Os quartos em sua maioria tem vista para o Rio Ganges, ou quando não para as montanhas do Himalaia. Mas fique atento á programação! Pois em época de muita chuva como julho e agosto, o Phool Chatti é fechado.

– Mahatma Yoga: Também mais afastado da cidade, o lugar parece ser um chame só! O único probleminha é o preço mais salgadinho, em torno de $250,00 doláres.

– Swami Rama Sadhaka Grama: Os quartos são em uns chalés super charmosos, o valor gira é em média 760 rúpias por dia, o que gira em torno de uns R$ 35,00. Esse ashram também não é dentro da cidade, fica mais afastado porém perto de uma pequena vila, o que facilita se você precisar comprar alguma coisa.

– Anand Prakash: Com um custo inicial em torno de 720 rúpias por dia, o equivalente á mais ou menos R$ 35,00 o Anand Prakash oferece hospedagem em quarto compartilhado e três refeições diárias.

Leia também: Guia: Como achar a hospedagem barata!

Quanto tempo ficar?

No geral não existe uma regra! Claro que quanto mais tempo você conseguir ficar por lá, melhor e mais profunda será sua experiência de auto conhecimento.

Mas se é a primeira vez, e não tem muito tempo no país, que tal reservar uns quatro dias para iniciar nessa experiência?

Tenho certeza que irá querer ficar duas semanas, um mês ou mesmo até mais numa próxima vez!

E aí, quando vai decidir fazer o seu Ashram?

Amanda Saueia

Brasileira. Geminiana. Contadora. Apaixonada pelo novo, livros, fotografia, música e arte. LOUCA por viagens!

Comente pelo Facebook

Comentários:

Autor: Amanda Saueia

Brasileira. Geminiana. Contadora. Apaixonada pelo novo, livros, fotografia, música e arte. LOUCA por viagens!

2 pensamentos

    1. Que bom que gostou, Luiza! Fico muito feliz! E quando visitar a Índia, não deixe de nos contar como foi sua experiência por lá! Beijoss

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.