Pushkar: Conhecendo a cidade sagrada da Índia.

Pushkar é considerada a cidade mais sagrada da Índia para o povo hindu. Como 70% da população é hinduísta, a cidade é de suma importância para o País. Sendo rodeada pelo lago sagrado onde diversas cinzas de grandes mestres foram jogadas ali, inclusive as cinzas do próprio Gandhi, Pushkar é sem sombra de dúvidas um destino que tem que fazer parte da sua listinha!

Á caminho de Pushkar

Saímos de Jaipur, rumo a Puskar. Pela estrada passamos por algumas cidades e o percurso demorou cerca de  duas horas e meia. Pushkar é uma cidade pequena, e extremamente charmosa. Foi a cidade que eu mais gostei, quando estive na Índia.

Os hotéis da cidade eram antigamente havelis que eram antigos palácios da nobreza indiana atualmente adaptados para receber os turistas, mas que ainda mantém um certo ar de realeza. E por conta disso os hotéis são um charme só! E os preços não são caros, as diárias começam em R$30,00.

Como já contamos anteriormente, os hotéis, assim como todo o percurso foi pago anteriormente para a empresa que escolhemos em Nova Délhi. E caso você ainda não tenha visto, vou deixar os links aqui: Tudo o que você precisa saber antes de viajar para a ÍndiaO que fazer em Nova Délhi? e Agra: Conhecendo o Taj Mahal.

Por ser uma cidade sagrada, não encontramos nenhum restaurante que servia frango. Eu já não comia nenhum tipo de carne, desde quando havia chegado na Índia, então não senti diferença.

Deixamos as malas no hotel, e seguimos para conhecer um pouco mais da cidade sagrada e sua história.

A cidade sagrada

Para entender a cidade sagrada, precisamos falar um pouco do hinduísmo.  O hinduísmo é a terceira maior religião do mundo! Os hindus são politeístas, ou seja acreditam em diversos deuses.

Respeitam tradições e escrituras, acreditam em livros sagrados e no sistema de castas. Confiam nos seus guias espirituais, os famosos gurus, e ainda acreditam na existência de encarnações anteriores. É uma religião rica e muito bonita. Um tanto quanto diferente para nós, é verdade, a começar pelo politeísmo mas precisa e deve ser respeitada.

Apesar dos diferentes deuses dentro do hinduísmo, temos três principais. O Deus Brahma, que é o Deus da criação. O Deus Shiva, também conhecido como Deus da destruição e o Deus Vishnu que é o Deus da proteção.

Pushkar

Uma das primeiras coisas que chamaram minha atenção por lá, foi a limpeza da cidade. Todas as ruas eram limpas, sem lixo no chão, e os vendedores das lojas estavam sempre varrendo a frente da calçada e recolhendo os lixos.

Pushkar

A cidade sagrada se formou através de um lago, o chamado Holi Lake – Lago Sagrado. Eles acreditam que o lago surgiu através de uma grande flor de lótus que foi colocada ali pelo Deus Brahma.

Conta a história que Lord Brahma matou um demônio chamado Vajranabha com sua arma, uma flor de lótus. Com o demônio morto, e devido a flor de lótus, criou-se o lago que deu origem a Pushkar. “Push” que significa lótus e “Kar” que significa mão em sânscrito.

Deys Brahma e a criação de Pushkar

O lago conta com 52 portões, e há diversas pessoas fazendo oferendas e pedidos por lá. Agora conseguem entender o porque da cidade ser sagrada para eles?! Eu particularmente achei isso fantástico!

Como a cidade se formou através de um presente do Deus Brahma, o templo de Pushkar é em homenagem a ele. O templo é bem pequeno, eu achei que fosse maior visto que é o  único templo do Deus Brahma na Índia, mas não o é.

Para se entrar no templo não se paga nada, no entanto não se pode entrar com câmeras, comidas, bebidas, calçados e mochilas ou bolsas grandes. Eles pedem que você deixe suas coisas num guarda volume na frente mesmo do templo. O valor que pagamos foi de 30 rúpias.

Templo Sagrado de Brahma

Conta a história que Lord Brahma, desceu à Terra para realizar uma celebração sagrada, a holy yagna. Quando chegou a parte da oferta final em frente a fogueira sagrada, a esposa de Lord Brahma, Savitri avisou que chegaria atrasada. Irritado com sua demora e com o risco do fracasso desta celebração sagrada, Lord Brahma pediu a Lord Indra para encontrar-lhe uma nova esposa, casando-se então novamente. Os Deuses Vishnu e Shiva santificaram este casamento e a a nova esposa foi então chamada de Gayatri.

Templo de Brahma em Pushkar

Quando a Deusa Savitri finalmente chegou, e descobriu o que havia acontecido durante sua ausência, amaldiçoou Brahma para que ele nunca pudesse ser adorado em qualquer lugar do mundo! Mais tarde porém reduziu sua maldição e permitiu que Brahma fosse adorado somente em Pushkar.

Então somente em Pushkar, temos um templo dedicado ao Deus da Criação. Apesar de pequeno, o templo é muito especial e vale a pena a visita. No altar, nos foi dada uma flor. e pediram para guarda-la até chegarmos ao lago sagrado.

Lago sagrado

Finalmente havíamos chegado em um dos portões do lago. Antes de descermos, nos foi dito que no final poderíamos fazer uma doação para ajudar algumas famílias, e não pagamos nada para descer até lá.

Antes de descermos as escadas no entanto, recebemos uma pequena cesta que continha: Um coco seco, cúrcuma, açafrão, um barbante que estava colorido pelo açafrão e pela cúrcuma, pétalas de diferentes tipos de flores e colocaram nossa flor, aquela que havíamos ganhado no templo ali também.

Nas escadas de baixo, de frente para o lago nos sentamos na frente de uma pessoa que estava nos esperando. Com a cesta do nosso lado esquerdo, ele começou a fazer orações  primeiro em sânscrito e depois em inglês.

Ritual

Eu não sei dizer ao certo o quanto isso demorou, pois fui tomada por uma forte emoção e acabei perdendo a noção do tempo, mas acredito que o ritual todo deve ter levado meia hora. A oração era muito simples e muito bonita.

Ao final ele amarrou o barbante em nossa mão direita e pediu para que fossemos até o lago colocar as pétalas na água. Quando voltamos do lago, ele nos disse sobre a importância da doação. Nos explicou que ele, assim como os outros voluntários do templo não trabalham e vivem das orações e doações.

E perguntou se poderíamos colaborar com um dia de alimentação dessas famílias em Pushkar. Neste momento, vamos falar de um assunto um tanto quanto delicado e eu vou tentar ser o mais fiel ao que ocorreu por lá.

Mas, nem tudo são flores…

Doação é o que podemos doar, o que temos para doar ou mesmo o que sentimos que queremos doar, não é mesmo? Eu estava muito emocionada com o ritual todo e juro, não parava de sair lágrimas dos meus olhos, rs.

Eu havia gostado muito do que havia acontecido ali, e tinha mentalmente decidido que iria doar 1.000,00 rúpias. Isso dá mais ou menos uns R$67,40 o que era bastante para mim, já que estávamos em final de viagem e eu só havia mais 2 mil rúpias para viver na Índia pelos próximos três dias.

No entanto, o moço nos disse que o mínimo para se doar era de 2.000,00 rúpias, ou seja, não havia valor menor a ser recebido por eles. Depois de todo o ritual, fica difícil você não doar o valor solicitado, que foi na verdade meio que imposto já que não poderíamos doar menos do que isso. Demos, os três 2.000,00 rúpias cada.

Devo doar?

De verdade, eu acredito que seja sim para a alimentação das famílias e doei com todo o coração. No entanto, não concordo com essa atitude deles em relação ao ritual. Acho que seria mais fácil e um tanto mais honesto cobrar esse valor de entrada. Assim as pessoas ficariam sabendo quanto que eram e decidiriam ali se iriam querer ou não conhecer.

Quando você já esta lá embaixo, após ter feito as orações e se emocionado com o ritual todo, é bem difícil dizer que não vai doar, não é mesmo? No entanto, você pode estar desprevenido, não ter o dinheiro na carteira, enfim.. eu acho que vale muito a pena ir, muito a pena conhecer! Foi uma experiência incrível para mim, me emocionei e senti muita paz! No entanto, gostaria que você fosse preparado para o valor, para que não seja pego de surpresa. Você não é obrigado a fazer a doação, mas fica um tanto quanto chato se não fizer.

Há diversos outros portões até o lago, e não precisa pagar para descer até lá. Nesse em especial, eram feito as orações, por isso o valor.

Deserto em Pushkar?

Há um pequeno deserto também em Pushkar, não é nada grande, é bem pequeno, aliás. Muitas pessoas visitam a cidade com o objetivo de andar nos camelos. Em novembro há uma feira muito famosa com eles por lá.

Eu não fiz o passeio porque já havia andando de camelo no deserto de Zagora, no Marrocos e você pode conferir aqui. Mas os meninos fizeram. Era fim de tarde, e eles pagaram o valor de 1300 rúpias cada para fazer o passeio que consistia em ir de camelo até o deserto, ver o por do sol e umas danças típicas indianas e voltar.

Deserto de Pushkar

Quanto tempo ficar?

Nós ficamos apenas um dia! Mas eu recomendo ficar de dois a três dias para aproveitar com calma a cidade. Muitas pessoas que buscam um roteiro espiritual vão para Pushkar, com toda sua história e seus diversos ashrams a cidade sagrada ganhou um lugar especial no meu coração! Foi o lugar que eu mais gostei quando estive na Índia. E com certeza Pushkar é destino certo quando eu decidir por um roteiro espiritual em algum ashram na Terra de Gandhi.

Amanda Saueia

Brasileira. Geminiana. Contadora. Apaixonada pelo novo, livros, fotografia, música e arte. LOUCA por viagens!

Comente pelo Facebook

Comentários:

Autor: Amanda Saueia

Brasileira. Geminiana. Contadora. Apaixonada pelo novo, livros, fotografia, música e arte. LOUCA por viagens!

Deixe um comentário